Produção Narrativensaio-AC

Classificação M/16 anos

"Onde o Frio se Demora" fala sobre violência de género, rutura, solidão e incapacidade para amar, num país marcado pela recessão e pelo envelhecimento. O texto resulta de conversas longas e sem filtros tidas com três pessoas residentes na Área Metropolitana do Porto e a repórter jornalista do Publico Ana Cristina Pereira. Três vozes de um país progressista e conservador, moderno e obsoleto, tranquilo e violento, em qualquer caso, desigual. É uma proposta de teatro-documental. Uma brecha para um mundo feminino de desencontro, de desamor, de violência na intimidade – umas vezes evidente, outra subtil. O interlocutor original desaparece. O espectador assume o seu lugar, faz as vezes de parceiro mudo.

Esta criação conta com a interpretação de Margarida Carvalho, do Guitarrista Peixe (Ornatos Violeta e Pluto) e com imagens do fotógrafo Paulo Pimenta, e dá continuidade ao percurso, da encenadora Luísa Pinto, que tem privilegiado textos originais escritos em português, aliando a criação artística com preocupações éticas e sociais numa pesquisa teatral de linha contemporânea.


Ficha Artística

Texto Ana Cristina Pereira
Encenação, cenografia e Figurinos Luísa Pinto
Interpretação Margarida Carvalho
Composição original e interpretação musical ao vivo Peixe
Desenho de Luz Bruno Santos
Fotografia e vídeo © Paulo Pimenta
Assistente de Produção Cláudia Pinto
Produção Narrativensaio-AC


Narrativensaio-AC

É o resultado de todo um percurso e constitui-se, de alguma forma, como o cumprir de um sonho da encenadora e diretora artística da companhia, Luísa Pinto, que sempre privilegiou textos originais escritos em português, incentivando desta forma a escrita de palco na língua de camões. Assim como destacar e promover o teatro e as artes performativas contemporâneas no universo da Lusofonia.

Esta recente companhia estreou a sua primeira criação em Março de 2016, com o espetáculos ”Onde o Frio se demora “de Ana Cristina Pereira e encenação de Luísa Pinto. Este projeto de teatro documental circulou por vários espaços do país como; Teatro Rivoli, Casa das Artes de Famalicão, Teatro Municipal de Bragança, Teatro de Vila Real, Teatro Municipal Joaquim Benite entre outros. Em Maio do corrente ano estreou uma encomenda da Casa das Artes de Famalicão no âmbito do 15º aniversário do referido teatro, “Por detrás do Sol” de Roberto e Luísa Pinto. Em ambas as criações foram realizados debates/colóquios com a finalidade de alargar o objeto artístico à discussão pública.